sábado, 16 de janeiro de 2010

STREETS OF FIRE



(Postado originalmente no endereço anterior da Cripta do Caveira, em 23 de fevereiro de 2007)

Na última quarta-feira, vi um dos filmes mais AFUDÊS de todos os tempos. Uma pérola perdida chamada Streets of Fire, batizado por aqui de "Ruas de Fogo" (bom ver que, eventualmente, o pessoal traduz decentemente o nome dos filmes no Brasil).

O filme, como bem se anuncia, é basicamente uma ... fábula Rock and Roll! Sim, tô falando sério. Só que, ao invés de castelos e reinos, tudo é ambientado numa cidade suja, velha, violenta e decadente, num tempo indeterminado que ora parece com os anos 80 (penteados, música, roupas) e ora parece os anos 50 (ambientes internos, carros, visual dos estabelecimentos, "pinta" das gangues, etc). É mais ou menos uma homenagem/mix dos anos 50, feita nos anos 80.

Essa "fábula" não tem canções infantis, mas sim muito rock com aquele acentão pop dos anos 80, cheio de feeling e batidas eletrônicas. Algumas das melhores músicas são verdadeiras "operas-rock", radiofônicas e grudentas mas que ao mesmo tempo lembrar o som do Meatloaf e similares.

No lugar da princesa raptada pelo dragão ou vilão, temos uma cantora de rock, que é sequestrada no meio de seu show por uma gangue de motociclistas! Hahaha, quer coisa melhor do que isso? Parece roteiro de algum videogame tipo Double Dragon!



E no lugar do príncipe encantado, temos o fodíssimo Tom Cody, um anti-herói e ex-militar, que retorna à sua cidade natal após ter sido chamado de volta por sua irmã, que quer que ele resgate a cantora sequestrada ... que, por umas dessas coincidências da vida, é uma ex-namorada sua.

Esse filme é muito, mas muito bom mesmo!
Uma jóia subestimada. Foi produzido originalmente para ser uma trilogia, mas não teve o esperado sucesso de bilheteria e acabou no esquecimento. Ele tem tudo para agradar qualquer pessoa que seja fã da cultura/estética dos anos 80. Sua mistura de ação, musical, romance e comédia é diversão pura. 


Mas não pense que o filme não infuenciou ninguém ... se é verdade que não foi bem de bilheteria, seu impacto foi tremendo nos ... videogames!!! Eu não estava bricando quando falei que o roteiro parecia o de um jogo. Pois saiba que o super-clássico game FINAL FIGHT (1989, Capcom) foi DIRETAMENTE baseado neste filme. Caso você não lembre, nesse jogo o herói CODY (que inclusive é parecido com o personagem do filme) retorna à cidade de Metro City para resgatar sua namorada, raptada por uma gangue de marginais. Nomes, situações, clima e até roupas que aparecem no jogo foram inspiradas em STREETS OF FIRE.

E a influência foi mais longe. Diga: depois de DOUBLE DRAGON e FINAL FIGHT, qual é o beat'em up (jogo de andar e dar porrada) mais famoso de todos os tempos? Acertou quem disse STREETS OF RAGE. Nem preciso dizer que a coincidência de nomes é mais do que "coincidência", né?

Trocando em miúdos, STREETS OF FIRE é a fonte direta de duas das mais famosas séries de games de todos os tempos, e que inspiraram praticamente todos os jogos do estilo que saíram depois. Ironicamente, portanto, embora tenha sido mal-sucedido no mundo cinematográfico, a influência do filme em outras mídias foi grande. Não vou nem entrar no mérito do sucesso das excelentes canções do filme (incluindo a clássica "I Can Dream About You") porque daí já seria apelar ...

Enfim, se você gosta de filmes divertidos de ação, de games beat'em up ou de música pop dos anos 80, alugue este filme. Mas já vou avisando ... cuidado pra não chorar muito, ou ter um enfarto de emoção!

Agora, se você não gosta de nada disso ... então recomendo que você vá para um Spa fazer um tratamento prolongado para Cuzice Crônica, seu abominável e aborrecido pedaço de cocô desprovido de sentimentos!!!!!!!!!

E lembre-se: "Tonight is what it means to be young ..."



Destaques do filme:

* O personagem Tom Cody, protagonista do filme, mais macho-man que Chuck Norris e Jack Bauer juntos!
* Michael Paré no papel do protagonista, canastrão como só ele, mas dando o tom correto ao herói.
* Diane Lane (que interpreta a cantora raptada), pela gatice extrema. Com certeza está entre as mocinhas mais gatas do cinema oitentista.
* A sapatão McCoy, braço-direito de Cody, que protagoniza vários dos melhores momentos cômicos da película.
* Rick Moranis, sempre competente, apesar de estar bastante apagado na trama.
* William Dafoe, neste que é - certamente - o papel mais bizarro que já viveu no cinema!
* Bill Paxton num papel secundário ridículo.
* A trilha sonora de NOITE MÁGICA OITENTISTA!
* A ambientação, o clima e a atmosfera geral do filme.

Um comentário:

PoLly disse...

Trilha sonora fodastica !!!
Parabens pelo post