sábado, 16 de janeiro de 2010

Filmes ruins: COBRA (1986)



(Postado originalmente no endereço anterior da Cripta do Caveira, em 16 de agosto de 2007)

Judas dançarino ... acabei de ver aquele que deve ser um dos piores filmes de ação já feitos: COBRA, estrelado por Sylvester Stallone.

Aliás, eu devo ser a última pessoa da face da Terra a ter visto essa porcaria de filme, porque essa coisa é de 1986 e já passou na televisão até não poder mais. Mas graças a Deus que só fui ver essa coisa com maior maturidade e idade adulta, porque não sei quais danos mentais esse filméco é capaz de causar em crianças e adolescentes.

Stallone encarna Marion Cobretti, um policial metido a "acima da lei" que evidentemente tem esse nome ridículo tão somente para explicar retroativamente o apelido de COBRA. Dããããã!!!



O personagem de Stallone, chegado numa cobra, é destacado pela polícia idiota da cidade idiota para lidar com uma gangue de idiotas que ... estão matando pessoas. É, eles matam pessoas POR NADA. Sério, não estou brincando. É uma gangue enorme de loucos que não tem mais nada pra fazer e mata pessoas por puro esporte. E ainda usam o nome super fashion de THE NIGHT SLASHERS. Ai, meu bom Jesus ...

Vale destacar que o filme inteiro é uma apologia à viadagem. Os "night slashers", além de terem esse nome pra lá de gay, passam o filme inteiro tentando matar (por nenhuma razão aparente) a gatíssima mocinha vivida por Brigitte Nielsen. Eles atacam mais ela no filme do que o Cobra, provando portanto que gostam mais de cobra do que de mulher.



Além disso, a gata passa metade do filme dando em cima do Cobra e ele só se esquiva, deixando claro que tem tendências homossexuais insuperáveis e que no fundo gostaria de estar naquele bar de bichas vestidas de motoqueiros que aparecia nos filmes da série Loucademia de Polícia, lembram?

Não vou perder muito tempo falando desse filméco ridículo, até porque não há críticas pontuais a fazer: simplesmente NADA funciona. A "ação" é um amontoado de clichês desinteressante,s a violência é tão gratuita e forçada que chega a ser cartunesca, a atuação dos atores é digna de um teatrinho de escola primária e o roteiro simplesmente NÃO EXISTE. Sério: qualquer joguinho de videogame de dar porrada, tipo Double Dragon ou Streets of Rage, tem um roteiro muito melhor.


Mas o mais impagável nessa bomba são os diálogos, que parecem saídos de uma convenção do Partido Republicano norte-americano ou de uma reunião da National Rifle Association. Dois exemplos ilustrativos:

MOCINHA GATA: "Eu não sei como pode ter tanto psicopata à solta!".
COBRA : "Pergunte para o Juiz".
MOCINHA GATA: "O que?".
COBRA : "Pergunte para o Juiz. Nós os prendemos, ele os solta."
MOCINHA GATA: "Isso me deixa enojada".

***

BANDIDÃO: "Você não vai atirar! Você precisa me prender. Venha aqui me render. Eu tenho direitos. E você sabe que eles vão dizer que eu sou insano".
COBRA : "Aqui é onde termina a lei e onde começa ... EU!!!".



"Brigitte Nielsen: o Cobra não gostava".

Nenhum comentário: