sexta-feira, 16 de abril de 2010

Álbum recomendado: TYPE O'NEGATIVE - LIFE IS KILLING ME (2003)

 
Para homenagear o inimitável vocalista Peter Steele (que infelizmente partiu dessa para a melhor no último dia 14 de abril), vou resenhar o álbum do Type O'Negative que me tornou fã da banda: LIFE IS KILLING ME, de 2003. O disco se saiu muito bem, e chegou na 39ª posição no Top 200 da Billboard nos EUA.

O álbum apresenta nada menos do que 15 faixas, mas vou começar pelas minhas prediletas.

"I Don't Wanna Be Me" rendeu um videoclipe e pode ser facilmente considerada como uma das músicas mais legais de toda a carreira da banda. "I Like Goils" e "Angry Inch" são duas porradas rápidas da melhor qualidade, que mostram a versatilidade de Steele e que o Type O'Negative não vivia só de músicas arrastadas. "Life is Killing Me" é extremamente atmosférica e bem impactante, ainda mais se o ouvinte prestar atenção na excelente letra.

"(We Were) Electrocute" é uma semi-balada muito legal, e esteve presente na trilha sonora do filme Freddy Vs Jason, lançado no mesmo ano que esse álbum. "Nettie" começa com Steele cantando no tom mais grave já alcançado por um ser humano, e mais parece uma participação especial do Diabo em pessoa no disco. "How Could She?" tem uma letra muito engraçada, com Steele lamentando ter sido abandonado por suas musas de programas de televisão como Morticia Addams, Judy Jetson, Penelope Pitstop, Marilyn Munster e Wilma Flintstone, dentre outras.

Apesar de estas serem as minhas músicas favoritas em Life Is Killing Me, há uma série de outros bons momentos no álbum, dentre os quais eu destacaria a melancólica "Anesthesia" (com teclados muito legais), a curtíssima instrumental "Drunk in Paris", a cadenciada e pesadona "The Dream is Dead", a viajante "Less Than Zero", a melódica e "suave" (para os padrões da banda) "Todd's Ship God Above All Things" e a excelente "... A Dish Best Served Coldly", com várias partes diferentes ao longo da faixa, incluindo melodias vocais bem legais e violões.

Praticamente todas as músicas são extremamente atmosféricas. No geral, a identidade do álbum se dá através da excelente mistura de guitarras pesadas, sonoridade soturna e melancólica, agressividade e ótimas melodias. 

Um grande momento na discografia da banda e imperdível para quem curte o som do Type O' Negative, Life is Killing Me também é certamente uma excelente porta de entrada para se conhecer o trabalho dessa puta banda do lamuriento gigantão Steele, que mal partiu e já deixa saudades nos fãs do estilo.


2 comentários:

Suzan_Lee disse...

Gosto pacas do som dos caras. E agora, será que irão continuar sem ele? :-\

Henrique disse...

Sinceramente, espero que não. Não tem como substituir o Steele à altura.