domingo, 28 de novembro de 2010

COMPRAS HORRORÍFICAS DO CAVEIRA - Parte 2: Horror Classics

Saindo do terreno dos toys para o dos filmes, comprei uma coletânea intitulada HORROR CLASSICS. São nada menos do que 12 DVDs contendo CINQUENTA FILMES antigos de terror, todos lançados entre 1923 (!) e 1968. 


Entre as pérolas presentes, estão THE LAST MAN ON EARTH, com Vincent Price (que foi a primeira adaptação para o cinema do clássico livro I Am Legend de Richard Matheson), NIGHT OF THE LIVING DEAD (o clássico de Romero, que criou a ideia geral dos zumbis como hoje eles aparecem na cultura pop), WHITE ZOMBIE (o primeiro filme de zumbis de todos os tempos, embora com uma abordagem diferente do Zumbi de Romero), DEMENTIA 13 (o primeiro filme dirigido por Francis Ford Coppola), NOSFERATU (o clássico absoluto de 1922), METROPOLIS (a obra-prima de Fritz Lang), THE PHANTOM OF THE OPERA (o icônico filme de 1925, estrelado por Lon Chaney) e por aí vai.



Agora, o mais incrível de tudo é que essa coleção imperdível está sendo vendida por inacreditáveis U$ 12.99 (cerca de R$ 22,00!) no site da Amazon. Com frete e tudo, o troço me custou um pouco menos de R$ 35,00 - ou seja, cada DVD sai R$ 2,91 e cada filme sai por SETENTA CENTAVOS! Imperdível.

 "We're coming to get you, Barbara!!!!"

COMPRAS HORRORÍFICAS DO CAVEIRA - Parte 1: Brinquedos velhos de terror

Olá, boys and ghouls! Hoje vou mostrar para vocês alguns itens de colecionador nerd-horroríficos que adquiri nos últimos tempos e que agora repousam na minha cripta.

Vou começar com algumas antiguidades infantis que comprei no Mercado Livre. O primeiro, que já faz mais tempo que comprei, é o memorável JOGO DO CASTELO MAL-ASSOMBRADO, fabricado pela Estrela nos anos 80. 


Quando eu era criança, eu babava em cima desse jogo, principalmente porque ele vinha acompanhado de uma série de fantasminhas que brilhavam no escuro! Um amigo meu tinha esse jogo, e eu achava o máximo. Demorou, mas hoje ele faz parte do acervo aqui da minha cripta. 


O jogo em si é bastante simples, até rapidamente enjoativo. Mas o tabuleiro "sinistrinho" e os fantasminhas acabam cativando qualquer criatura velha das trevas, como é o caso do autor dessas linhas.

Mais recentemente, comprei também um jogo de tabuleiro nacional extremamente desconhecido que eu tive na minha infância. O nome do jogo é CASTELO DO TERROR, fabricado pela Toyster. 


É um jogo extremamente simples, onde os jogadores vão andando por um castelo infestado de monstros para salvar uma princesa. O mais legal do jogo é a arte do tabuleiro (que tem dois níveis), representando todos os mórbidos aposentos do castelo


O jogo é divertido, e toma umas liberdades criativas interessantes. Por exemplo, para matar os vampiros, você usa estacas. Para matar os lobisomens, usa revólveres carregados com balas de prata. Até aí tudo bem, né? Mas, para matar as múmias, você usa FACAS (será que é pra cortar as bandanas das múmias?) e, para "matar" os fantasmas, você usa LANTERNAS! E eu que achei que fantasmas eram perigosos! Aparentemente, se você tiver uma lanterna equipada com boas pilhas alcalinas, sua segurança está garantida.


Bom, acho que era isso, corpos e almas. Fiquem atentos para os frequentes e sinceros depoimentos do Caveira sobre o horrendo, horrível e horrorífico mundo do terror em geral ...



                                                    "Ai, que terrãr !!!"

sábado, 27 de novembro de 2010

O FIM DO CASSETA & PLANETA


Causou furor a notícia, divulgada ontem (sexta-feira), de que o programa Casseta & Planeta, que está no ar na Globo desde 1992, será cancelado no ano que vem.

Como grande fã do grupo que sempre fui, só tenho uma coisa a dizer sobre isso: GRAÇAS A DEUS!!!

Se você tem menos de 25 anos, então provavelmente não tem noção da importância histórica da trupe do Casseta para o humor brasileiro, e não faz ideia de como esses sujeitos eram talentosos nos seus anos de ouro. Nos primeiros anos, quando o Casseta era um programa mensal, a espera pelo dia em que ele passaria gerava enorme expectativa, e o programa (que durava uma hora inteira) era um verdadeiro evento, que gerava comentários, risos e piadas por semanas a fio no país inteiro.

Sim, eu sei, isso tudo pode parecer inacreditável quando olhamos para o que foi o Casseta & Planeta na última meia década: um ridículo programa de autopromoção das novelas da Globo, calcado num "humor" pasteurizado, burocrático e batido. A verdade é que, pelo menos de uns cinco anos para cá (para ser bem sincero, eu diria que pelo menos há uma década), o Casseta & Planeta está virado numa coisa constrangedora, num verdadeiro Zorra Total levemente melhorzinho. Quando a gente vê os caras do Casseta sempre travestidos de atrizes globais, de novo e de novo e de novo, mal dá pra acreditar que esses são os mesmos sujeitos que faziam aquele humor caótico, anárquico e empolgante no começo dos anos 90. Sem falar que, ainda antes disso, eles já tinham matado a pau como roteiristas do clássico TV Pirata (uma verdadeira lenda do humor nacional) e na saudosa revista Casseta Popular.

Sinceramente, não sei diagnosticar o que causou essa decadência criativa do grupo. Alguns dirão que foi a morte do genial Bussunda, mas (por mais que eu concorde que o cara foi uma perda irreparável) devo lembrar que o programa já estava em absoluta decadência bem antes de ele morrer. Outros dirão que são os efeitos da "camisa de força" que a Globo coloca em seus subordinados (basta ver como o programa do Jô virou uma merda quando migrou do SBT para a Globo). Mas essa explicação também não convence, pois o Casseta & Planeta sempre passou na Globo. 

Outros dirão que os outrora inspirados humoristas estão velhos, ricos, acomodados e cansados, mas ... bem, essa é uma hipótese verossímil, no final das contas.

De qualquer forma, estou muito feliz com a notícia do fim do programa. Não que isso faça diferença prática para mim, pois eu já não tinha mais saco para aguentar a ruindade do programa há muitos anos, e o assistia apenas muito eventualmente (e nunca aguentava mais do que alguns minutos). Atualmente, o Casseta & Planeta é uma desgraça para a sua própria memória, e portanto já vai tarde. É mil vezes melhor procurar no Youtube pelos pedaços dos programas antigos, lá da primeira metade dos anos 90, e conferir a genialidade que o grupo de humoristas então ostentava.


ALGUMAS NOTÍCIAS RÁPIDAS



1) "FHC diz ser 'impossível' não haver regulação da mídia"
(http://www1.folha.uol.com.br/poder/836601-fhc-diz-ser-impossivel-nao-haver-regulacao-da-midia-mas-critica-controle-de-conteudo.shtml)

Ah, bonito, né? Durante as eleições, os tucanos satanizaram o tema dos marcos regulatórios para a mídia como se fossem planos diabólicos de comunistas tentando implantar uma nova União Soviética na América Latina! Agora, com a cara mais bisonha do mundo, a Múmia de Honra dos tucanos aparece para dizer que é "impossível" não regular a mídia.

Depois esses duas caras (cujos discursos e práticas vivem em permanente divórcio) ainda querem achar ruim quando tomam ferro nas eleições!



2) "Classe baixa reconhece melhor emoções alheias"

(http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,,EMI190038-17770,00.html)

Fiquei surpreso com essa! Aparentemente, pode haver uma explicação científica para a dificuldade que as pessoas favorecidas pela sociedade sentem em se colocar no lugar daqueles que passam por dificuldades e que foram menos afortunados na vida.

É claro que, independentemente de qualquer fator desse tipo, uma dieta semanal à base de revista Veja só contribui para uma deterioração mais rápida dessas habilidades de empatia.


domingo, 21 de novembro de 2010

536 EDIÇÕES DE PERRY RHODAN PARA DOWNLOAD

Para os fãs das aventuras de Perry Rhodan, uma boa notícia: todas as 536 edições das histórias do personagem publicadas aqui no Brasil pela Ediouro (entre 1975 e 1991) foram disponibilizadas para download.

Andei lendo que não se trata de download ilegal, mas sim de uma iniciativa autorizada pela editora alemã (detentora do copyright do personagem) para manter vivo o interesse nas histórias mais novas de Perry Rhodan, que continuam sendo publicadas. Agora, se essa história procede ou se é balela, não se dizer.

Para quem não sabe, Perry Rhodan é o nome de uma série de livretos de ficção-científica publicados na Alemanha desde 1961. A série AINDA está em publicação e já conta com mais de 2.500 (!) títulos diferentes lançados, com "arcos" de histórias que chegam a se estender por mais de 100 edições. Eu cheguei a ler uma das histórias de Rhodan quando era criança, mas não cheguei a virar fã.

Enfim, uma diversão alucinante para os maníacos por ficção-científica "pulp".


http://www.4shared.com/account/dir/5254496/7bc70aa8/Perry_Rhodan.html#


segunda-feira, 15 de novembro de 2010

domingo, 14 de novembro de 2010

O Caveira recomenda: CREEPSHOW (1982)

 
Acabo de rever CREEPSHOW (1982), dirigido por George Romero. Adoro a forma como ele e Stephen King juntaram forças nesse filme para homenagear os quadrinhos de horror da EC Comics dos anos 50, com todo aquele maquiavelismo estereotipado, os mortos-vivos que saem das sepulturas para se vingarem dos seus assassinos e as lições de moral que pautavam as reviravoltas, com personagens detestáveis encarando destinos horríveis nas mãos de monstruosidades diversas. Os quadrinhos da EC (cujo título "carro-chefe" era a célebre Tales From the Crypt), extremamente audaciosos para a época, influenciaram gerações de fãs de horror, incluindo evidentemente os próprios Romero e King, e Creepshow foi uma das homenagens mais legais que o cinema até hoje já fez àquelas velhas HQs.

Esse filme passou muito na TV ao longo dos anos, embora devo dizer que faz muitos anos que não o vejo mais passando (o que pode não significar muita coisa, dado o fato de que eu assisto pouquíssima televisão). Ele fez algum sucesso nas locadoras também, na época do VHS - e aqui vai novamente uma observação semelhante à anterior, pois não me recordo de já ter visto esse filme em DVD nas locadoras. 


De qualquer forma, se você ainda não viu, recomendo dar um jeito de conseguí-lo (se as locadoras não ajudarem, sempre há o último recurso de baixar o filme na internet). Mas não espere um filme realmente "assustador". O objetivo de King (que escreveu todos os roteiros das cinco histórias do filme) e de Romero era evidentemente reproduzir o estilo de horror característico dos quadrinhos cinquentistas, que eram extremamente violentos e perturbadores para a época, mas que naturalmente já eram batidos e ingênuos para os padrões dos anos 80. Não custa lembrar que, em 1982, as pessoas já tinham assistido Sexta-Feira 13, Alien, Halloween e O Exorcista, e portanto já estavam acostumadas com coisas bem piores do que aqueles roteiros de "reviravolta terrorífica-moralista" típica dos quadrinhos da EC.

Creepshow é um filme de terror "light", que acabou virando cult entre os fãs de arte de horror justamente devido à forma divertida como celebra alguns clichês do gênero. Além disso, o filme não apenas ajudou a formar novas gerações de fãs de terror (pois as histórias são suficientemente bem executadas para arruinar uma noite de sono de um garoto de dez anos de idade) como ainda celebra aquela "descoberta do terror" que a maioria dos fãs do gênero tem na infância (o filme começa com um menino, Billy - interpretado por Joe King, filho de Stephen King - que está lendo uma revistinha de histórias de terror chamada Creepshow quando o seu pai chatíssimo e careta arranca a revista do fedelho e joga ela no lixo).

O cúmulo da arte-imita-a-vida-que-imita-a-arte é que, depois do lançamento do filme, Creepshow acabou virando uma revista, em edição única, que trazia as cinco histórias do filme em quadrinhos. As ilustrações ficaram a cargo de Berni Wrightson, um desenhista aficcionado pelo gênero e bastante influenciado pelo estilo dos velhos quadrinhos da EC Comics. 


Enfim, tem mortos-vivos, monstros que devoram pessoas e até um silencioso anfitrião espectral que aparece de vez em quando (outra clara homenagem ao Crypt-Keeper e a outros monstrinhos menos célebres, que sempre introduziam as velhas histórias em quadrinhos). E, como se não bastasse, ainda é escrito por King e dirigido por Romero, o que é sinônimo de "imperdível". O Caveira recomenda! 

domingo, 7 de novembro de 2010

THE ADDAMS FAMILY - a série completa


Se você está com o seu inglês em dia, aqui vai um link horrorífico que vale à pena salvar nos seus "favoritos": as duas temporadas completas da clássica série de TV dos anos 60 The Addams Family.

São 64 episódios no total, que foram originalmente exibidos nos EUA entre 1964 e 1966, e popularizaram definitivamente na cultura pop a macabra família de adoradores do mórbido e do sobrenatural (embora a maior parte das pessoas na minha faixa etária naturalmente tenha conhecido os personagens através do famoso filme de 1991).

Uma curiosidade: embora a Família Addams não seja a única família "sobrenatural" da cultura pop dos últimos cinquenta anos (a outra é The Munsters), os Addams são os pioneiros no estilo. Tanto The Munsters quanto The Addams Family tiveram suas séries televisivas criadas mais ou menos na mesma época, e tiveram exibição quase simultânea, mas os Addams foram criados como personagens de histórias em quadrinhos em 1938 - portanto quase três décadas antes de sua estréia na TV. 

Enfim, risadas garantidas para suas madrugadas malditas!


sexta-feira, 5 de novembro de 2010

IN THEIR OWN WORDS


Ei, vejam que legal! A BBC liberou para o público, no seu site, uma seção chamada "In Their Own Words", que reúne diversos programas e entrevistas com vários dos mais importantes escritores britânicos do século XX, como J.R.R Tolkien (de joelhos, agora!!!), Virginia Woolf, William Golding e Aldous Huxley.

http://www.bbc.co.uk/archive/writers/


PS - Não, não tem a J.K Rowling, seu animal!

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Obrigado, cripteiros!


A assiduidade de vocês tem impressionado o velho Caveira, meus caros corpos e almas! Depois de a nossa obscura Cripta ter comemorado a marca de 1.236 visitantes no mês de setembro (até então o recorde absoluto do nosso famigerado blog), aparentemente em outubro o pessoal resolveu chutar o balde, e os portões do inferno se abriram para hordas de mortos-vivos e criaturas sobrenaturais assemelhadas invadirem a nossa pequena necrópole. Em outubro, a Cripta teve nada menos do que 14.790 visitas, quatorze vezes mais que o recorde registrado no mês anterior! Só no dia 27/10, por exemplo, a Cripta foi visitada por 1.405 cripteiros - mais do que em todo o mês de setembro.

Doideira, hein, boys and ghouls?!? Se continuar desse jeito terei que comprar um freezer maior para a Cripta, pois a cerveja não vai chegar pra todo mundo.

Um grande abraço do Caveira para você, leitor assíduo, e muito obrigado por estes números animadores. E continue frequentando esse nosso horrorífico hospício para conferir sempre as últimas novidades infames em humor, horror, nerdices e rock n'roll!

Contos do Caveira: "D. Conceição"


D. CONCEIÇÃO

Seria exagero dizer que D. Conceição era má pessoa. No fundo, ela tinha um bom coração. Mas tinha maus hábitos. O pior deles era o preconceito generalizado que ela manifestava contra uma lista verdadeiramente enciclopédica de características humanas, que abrangia fatores de natureza social, racial, religiosa, econômica, política, ideológica, filosófica, esportiva, gastronômica, etc.

Mas o preconceito mais forte que D. Conceição tinha era em relação aos pobres.

Voltando do banco, a reclamação era sempre a mesma: “Meu bom Jesus do céu, nunca vi tanto pobre na minha vida! É aquela fila de pobre que não acaba mais!”, esbravejava. Sustentava que “pobre gosta tanto de fila que é capaz de fazer fila para entrar em uma”. Andando pelo centro da cidade, as queixas eram semelhantes: “É pobre enfeiando a cidade por todos os lados, um caído bêbado no chão, outro pedindo esmola pra não trabalhar, uma visão do inferno!”, declarava.

A Iracema, vizinha e melhor amiga de D. Conceição, havia aprendido a conviver bem com os queixumes preconceituosos da amiga. Achava exagerado e inapropriado, mas conseguia ouvir sem se deixar abalar. Sabia que no fundo, no fundo, D. Conceição tinha um bom coração.

Os anos se passaram, e a vida nem sempre foi muito boa com D. Conceição. Um de seus filhos tinha problemas com o álcool (ou com a ausência deste, melhor dizendo). Outro ficou desempregado por um longo tempo. A pensão do finado esposo era uma miséria. Injustiças do destino para com D. Conceição, uma senhora que no fundo, no fundo, no fundo era boa pessoa. Um dia, muito a contragosto, D. Conceição foi finalmente convencida pela família a solicitar um auxílio financeiro do governo, voltado para pessoas de baixa renda.

Voltando para casa, após a primeira vez em que foi sacar o dinheiro referente ao oportuno benefício, D. Conceição foi tomar o café da tarde com Iracema. Falou pouco, tendo apenas queixado-se brevemente do calor, que lhe baixou a pressão. Mas, após alguns instantes, não se conteve. Fez a careta de sempre e, balançando a cabeça, sentenciou:

- Também, com todo aquele pobrerio ao meu redor!

Contos de Horror do Caveira : "Betina Saiu Dessa Vida"


BETINA SAIU DESSA VIDA

Aquela era uma cidade pequena e interiorana, e nela o prazer tinha nome. Chamava-se Betina. Aos vinte e dois anos de idade, a garota alta, loira e dona de um espetacular par de seios já tinha levado ao delírio boa parte dos homens da cidade e de quatro ou cinco municípios vizinhos, terras nas quais a sua reputação lhe precedia, normalmente resumida por algum rapaz afoito, entre um gole de cerveja e outro, através de alguma frase como “Oh, cara, esse mulherão vale cada centavo!”.

A clientela de Betina estava satisfeita com ela, e não menos realizada estava ela com a vida que levava. Suas amigas suavam, dia após dia, atrás de balcões de lojinhas de roupas, ou mofando em escritórios tediosos, para terminar o mês com um pobre salário mínimo nas mãos. Betina acordava todos os dias depois do meio-dia e quase não tinha horários, e ao longo de um mês ganhava quinze ou vinte vezes mais do que a maioria de suas amigas.

E, que fique entre nós, ela gostava do que fazia.

Era muito, muito raro ela ter que fingir um orgasmo para seus clientes, mesmo quando se tratavam de homens roliços de meia idade. Betina simplesmente sentia prazer quando um homem se divertia dentro de suas entranhas, especialmente se o sujeito tivesse uma conta bancária proporcional à libido.

Nem os homens que a maltratavam deixavam ela com medo. A violência até a excitava, de certa maneira. Suas manhãs de sono, após o trabalho noturno, eram recheadas de sonhos eróticos em que se via nua, em calabouços, masmorras, cemitérios e cenários semelhantes, frequentemente sendo violada por homens grotescos. Várias vezes, a lembrança dessas imagens a excitava no meio de um programa.

Certa noite, Betina estava em seu apartamento quando o telefone tocou. Ela atendeu e reconheceu a voz de Rodrigo, dono de uma pequena casa noturna. Rodrigo – vulgo “Digo” - ligava para Betina toda vez que sentia vontade de ir para a cama com uma mulher bonita e vinte anos mais nova. Ou seja, basicamente o tempo todo.

- Essa noite vou querer a Pati – falou Rodrigo.

- Amor, vou ficar te devendo essa – respondeu Betina, com desdém.-A Pati não aparece no apartamento há quatro dias.

- Ué, aonde será que ela anda?

- Ai, Digo, como é que eu vou saber? Não sou mãe dela. Não me espantaria de saber que ela arranjou um velho rico e sumiu com ele. É bem capaz de ela estar agora de biquini numa bóia, na piscina de alguma mansão, desfilando na frente de algum tomador de Viagra.

Rodrigo riu com a idéia. Ficou desapontado, mas optou por marcar um horário com Betina para aquela madrugada.

Depois que Rodrigo desligou, Betina ficou absorta em seus pensamentos. Pati era uma grande amiga sua. Era, também, outro nome famoso entre os consumidores de corpos locais. Ambas moravam juntas, no mesmo apartamento pequeno e desarrumado. Não raras vezes, seus clientes solicitavam as duas juntas.

Apesar da brincadeira, Rodrigo tinha tocado num assunto sério. Betina estava, sim, preocupada com a amiga. Era normal passarem uma ou até duas noites fora, mas Pati estava sumida a quatro dias, e isso nunca tinha acontecido antes. Teria Pati largado “essa vida”, como elas se referiam ao próprio metiê? Ela comentava com Betina que tinha vontade de parar, algumas vezes. Mas nunca parecia ser uma determinação séria.

Meia hora depois do telefonema de Rodrigo, Betina estava saindo do banho quando o telefone tocou novamente. Ela atirou a toalha em cima da cama e atendeu. A voz era de um homem, como já era de se esperar, mas nenhum que Betina conhecesse. Ela tentou parecer sedutora para o novo cliente, fazendo uma voz sexy, mas o homem parecia nervoso e apressado. Ele queria encontrá-la ainda naquela noite, atrás da igreja. Betina prometeu que estaria lá, às onze horas. O homem pediu para ela bater na porta dos fundos e esperar por ele.

“Sem dúvida, mais um inseguro com ejaculação precoce que está saindo com uma garota de programa pela primeira vez na vida”, pensou Betina, rindo enquanto secava os cabelos.

Mais tarde, Betina saiu a pé para encontrar seu novo freguês, já que a igreja não era muito longe de sua casa. Ela estava com um vestido vermelho curtíssimo, deixando à mostra as longas pernas cujos músculos eram realçados pelo salto alto. Metade de seus robustos seios saltava para fora do indecente decote. Betina gostava de transformar clientes novos em permanentes, e o estímulo visual adequado sempre funcionava.

Ela chegou então na igreja e deu duas batidas na porta dos fundos, conforme combinara com o homem. “Quem será ele?”, pensava ela. A rigor, nenhum funcionário eventualmente tarado da paróquia teria dinheiro para pagar o cachê dela. Para espanto e absoluto constrangimento da garota, um rosto conhecido abriu a porta. O padre Cláudio, um homem na casa dos cinqüenta anos, pediu para ela entrar.

- Eu a esperava – disse o padre.

- Bem, EU não o esperava – respondeu Betina, sorrindo apesar da surpresa. – Espero que não tenha me chamado para um sermão – brincou.

- Não, de forma alguma. Suba as escadas e me espere em meu quarto. Subirei em poucos instantes.

Betina riu. Seria a sua primeira vez com um padre. Ela era experiente “nessa vida”, mas essa situação era por demais inusitada mesmo para ela. O padre Cláudio, além de homem religioso, a conhecia desde pequena. Ela jamais poderia imaginar que, por trás daquele semblante sério e discurso carola, havia um pervertido sexual. Estava rindo sozinha enquanto adentrava o simplório quarto do padre.

Ela largou sua bolsa sobre um pequeno criado mudo, sentou-se na cama velha do pequeno quarto e começou a se despir. Já inteiramente nua, resolveu esperar o tarado clérigo vestida a rigor, com uma das batinas do padre. “Betina de batina”, pensou ela, rindo sozinha mais uma vez. “Onde será que o padreco guarda seus vestidinhos?”, pensou, já visualizando de pronto a resposta: um grande e velho armário do outro lado do quarto. Bonito, mas antigo, fora de moda. O tipo do móvel que você espera encontrar na casa de idosos, com aquela aparência de que foram derrubadas quinze árvores só para fazê-lo, e necessários oito homens só pra trazer o móvel até ali.

Betina espiou pela porta para ver se o padre já estava subindo. Nenhum barulho. Caminhou rapidamente então para o velho armário, contando com o tempo para encontrar uma batina, vesti-la e esperar seu mais novo cliente na cama. Ela abriu a enorme porta do armário num movimento rápido, e dali de dentro veio imediatamente ao chão o corpo nu de sua amiga Pati, já semidecomposto, com os vítreos olhos abertos e secos e com um reluzente machado ensanguentado enterrado na cabeça.

Imobilizada pelo terror e nauseada ao ponto de perder os sentidos, Betina subitamente ouviu um estrondoso chute na porta do quarto e virou-se para ver o padre Cláudio caminhando rapidamente em direção a ela, nu da cabeça aos pés, com um machado nas mãos.

- É hora do arrependimento e da punição. Vamos comer, meu bom Deus!!!

Algumas horas depois, o celular na bolsa da garota tocou. Era o Digo, furioso, querendo saber por que ela não havia aparecido para o programa que combinaram. Ele não tinha a menor idéia de que jamais iria para cama com Betina novamente.

Contos de Horror do Caveira : "Dois Minutos"

 
DOIS MINUTOS

Quando ele voltou para a frente do computador com seu café, seus olhos passaram de relance pelo monitor à sua frente. Por um instante, ele sentiu uma súbita vertigem: não reconhecia o texto que estava na tela.

O que teria acontecido? Seria um vírus de computador? Alguma brincadeira feita via internet? Ele se ausentou dali por menos de dois minutos, apenas para fechar a janela da sala e para aquecer no microondas aquele café dormido, de gosto já duvidoso. O que teria havido com o texto que ele estava escrevendo?

Ele foi descendo os olhos pela página na tela, enquanto lia, perplexo, aquele texto estranho que não era seu. "De onde apareceu essa porcaria?", pensou. Era uma coisa boba, aparentemente um curto pedaço de uma história de terror fajuta. Alguma coisa sobre uma presença fantasmagórica, que se esgueirava pelas sombras da casa de um coitado que ali estava, sozinho e ignorando por completo a sinistra presença que o observava, respirando discretamente junto com o vento que agitava as cortinas do recinto.

Depois de um ou dois parágrafos de suspense clichê, o texto terminava abruptamente numa curta frase, escrita em letras maiúsculas: "NÃO OLHE PARA TRÁS AGORA!!!".

Ele balançou a cabeça, inconformado com aquela coisa inoportuna e ridícula, e praguejou contra "essas invasões de privacidade da internet". Fechando o editor de textos no qual estava trabalhando, começou a procurar pela última cópia do seu texto, que ele havia salvado minutos antes no disco rígido de seu computador.

Em seguida, ele ouviu o barulho de algo se movendo atrás dele. Sentiu-se subitamente gelado, e precisou de alguns segundos até que o seu batimento cardíaco lhe permitisse olhar para trás. Mas era só o gato, que se esticava preguiçosamente pelo assoalho, regojizando-se com a brisa que agora entrava pela janela da sala.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

CAVEIRA'S HALLOWEEN PARTY 2010


Quero agradecer a todos os amigos que apareceram na CAVEIRA'S HALLOWEEN PARTY 2010, a pequena "movie-party" que eu e a Suzy bolamos para comemorar a nossa data festiva favorita do ano (clique nas fotos para ampliá-las).



Essa primeira edição da Caveira's Halloween Party foi realizada na noite do último sábado, 30 de outubro. Depois de alguma comilança, cervejas e de um setlist de músicas horroríficas, assistimos em bando o filme The Rocky Horror Picture Show, provavelmente o midnight movie mais clássico de todos os tempos.


Valeu, boys and ghouls! Ano que vem vai ter de novo!


Setlist da festa:

01 - Don't Fear the Reaper (Blue Oyster Cult)
02 - Dragula (Rob Zombie)
03 - Main Title (Grindhouse Soundtrack)
04 - Ghouls (Horrorpops)
05 - Beware (Michale Graves)
06 - Boris the Spider (The Who)
07 - Bad Moon Rising (Creedence)
08 - Bikini Girls with Machine Guns (The Cramps)
09 - Walk Among Us (The Misfits)
10 - Dust to Dust (The Misfits)
11 - Hate the Living, Love the Dead (The Misfits)
12 - Fiend Club (The Misfits)
13 - Scream (The Misfits)
14 - Saturday Night (The Misfits)
15 - Hunting Humans (The Misfits)
16 - Dig Up Her Bones (The Misfits)
17 - Monster Mash (Return of the Living Dead II Soundtrack)
18 - Somebody's Watching Me (Rockwell)
19 - Sweet Dreams (Eurythmics)
20 - Thriller (Michael Jackson)
21 - You Can't Hide From the Beast Inside (Fright Night Soundtrack)
22 - He's Back (Alice Cooper - Friday the 13th Part VI Soundtrack)
23 - Cat People (David Bowie)
24 - Pet Sematary (Ramones)
25 - Flesh to Flesh (Lamont - Return of the Living Dead II Soundtrack)
26 - Ghostbusters (Ray Parker Jr. - Ghostbusters Soundtrack)
27 - American Nightmare (The Misfits)
28 - Feed my Frankenstein (Alice Cooper)