domingo, 21 de fevereiro de 2010

RETROSPECTIVA SPEKTRO PARTE III - Spektro nº 6


Dando continuidade à nossa retrospectiva de SPEKTRO, a clássica revista de terror nacional do final dos anos 70 e começo dos anos 80, é hora de dar uma espiada na edição nº 6, lançada em julho de 1978.

A revista abre com "A Máscara da Morte Rubra", quadrinização de Manoel Ferreira para o clássico conto de Edgar Allan Poe. Assim como as contribuições anteriores do desenhista para Spektro, essa história já tinha sido publicada nos anos 60 na antiga revista "Clássicos de Terror". Embora curta, a história ficou ótima e mais uma vez o trabalho de Ferreira se destaca pela atmosfera sombria e lúgubre criada por seu traço peculiar.

"Flor Prometida" mostra um mal-humorado e bem sucedido senhor que maltrata reiteradamente uma velha senhora que deseja lhe dar uma flor. É uma curta história ilustrada por Shimamoto, sem diálogos, e que se sustenta tão somente no excelente trabalho visual dele. Fazendo jus ao popular ditado, aqui as imagens valem por mil palavras. Excelente.

"A Trágica Sina de Lindaura" é sobre uma repórter que vai para o sertão de Pernambuco para investigar homicídios que estão sendo cometidos por um serial killer apelidado localmente de "Papafigo", em virtude de seu hábito de comer o fígado de suas vítimas. Criada pela dupla Ataíde Braz e Roberto Kussumoto (responsável pela boa "Semente do Mal" na edição anterior), a história tem uma trama bastante previsível e não apresenta maiores surpresas, mas se destaca pelos desenhos excelentes, alternando momentos de estilo sombrio e realista com outros típicos do folclore nordestino, com linhas simples e sem tons intermediários entre o preto e o branco. Digno de nota.

Nas edições anteriores, Spektro havia conclamado seus leitores a enviarem "casos verídicos" sobrenaturais para a revista, para serem quadrinizados pelos seus colaboradores. Shimamoto se encarrega de ilustrar esse primeiro "caso verídico", sem título, sobre uma velha senhora metida com bruxaria em Minas Gerais. Embora os desenhos sejam ótimos, a história não tem pé nem cabeça, se desenvolve de maneira confusa e falha tanto como "relato" quanto como "conto". 
Watson Portela faz sua estréia em Spektro com "O Começo ...", sobre um camponês que é atraído para o meio da floresta à noite por um estranho vulto. A trama é fraca demais e não convence, mas a história é salva pelas ótimas ilustrações.

"O Segredo dos Mortos-Vivos" é a primeira das cinco histórias americanas desta edição, e é narrada pelo Doutor Morte, personagem do qual já falamos na primeira parte da nossa Retrospectiva Spektro. A trama é sobre um vigia de cemitério que, na verdade, é um cientista que pesquisa um soro capaz de trazer os mortos de volta à vida. Mais uma vez, o assustador Dr. Morte entrega aos leitores um conto de primeira qualidade, tanto na trama quanto nos desenhos. Ótima história!

A segunda história estrangeira é "O Segundo Eu", que mostra um cientista às voltas com uma experiência de clonagem, e é narrada pelo patético sucessor "bunda mole" do Dr. Morte, o insípido e artificial Doutor Mistério. A história é péssima, certamente o ponto mais baixo desta edição de Spektro, com desenhos horríveis, trama inexistente, narrativa tediosa e conteúdo "comportado" - os típicos defeitos característicos do material do Dr. Mistério, esse triste fruto da censura moral dos EUA na época.

A terceira "enlatada", "O Saqueador de Túmulos do Ganges", é outra história americana que não convence, e mostra um ladrão de sepulturas às voltas com um castigo demoníaco por seus pecados. A história é chata e meio aborrecida, embora não tão ruim quanto a anterior. "Casamento Cigano" não se sai muito melhor, e é uma história confusa sobre um rapaz que foge de um orfanato para reviver um episódio macabro ocorrido há dez anos atrás. A quinta e última história importada desta edição é "As Coisinhas", burocrática e excessivamente previsível. Tirando o ótimo conto do Dr. Morte, o resto do material americano desta edição de Spektro não justifica sua existência.

R.F Luccheti ataca com a sensacional "Um Cadáver sob Encomenda". Seduzido pelo show de uma belíssima dançarina exótica chamada Lulu, vinda de Paris, o sinistro Dr. Kessel não mede esforços para tê-la para si. O final é surpreendente, na melhor tradição do humor negro irônico das HQs da clássica "Tales From the Crypt" americana, e os desenhos do ilustrador Sampa são um espetáculo à parte.

"Os Desaparecimentos Misteriosos" é uma história que vale mais pelo traço peculiar e quase cartunesco da desenhista Mariza do que pela trama em si, que gira em torno de um editor picareta de uma revista de terror, que revira sebos em busca de material desconhecido para plagiar em sua publicação. A história é narrada por duas personagens novas de perfil cômico, Lili e Fifi, que são bruxas e irmãs siamesas.

"Sentença para um Carrasco", de Flávio Colin, conta com os tradicionais ótimos desenhos do mesmo, mas a trama é muito rápida e superficial e não diz a que veio.

A seção "Clássicos do Terror" traz um pequeno artigo sobre o escritor Ambrose Bierce e transcreve um conto do mesmo, "A Janela Entaipada".

R.F Luccheti aparece de novo para garantir outro ponto alto da edição, "Atrás da Porta", ilustrada pelo excelente Nico Rosso. Na trama, um velho ricaço morre e deixa uma legião de herdeiros ávidos para botar as mãos em seu dinheiro. No entanto, o testamento do velho dispõe que os herdeiros deverão passar a noite em sua mansão para poderem pleitear a herança, e existe um cômodo fechado na mansão que guarda um misterioso segredo. O final é meio apelativo, mas não deixa de ser engraçado, e a atmosfera criada pelos desenhos é excepcional. Já a história seguinte, "Contrato Macabro", de Basílio de Almeida, é clichê e muito sem graça.

Um dos momentos mais sem pé nem cabeça desta sexta edição de Spektro é a inclusão de uma história italiana chamada "Os Sinos de Belsen". Trata-se de uma suposta homenagem ao cineasta Alfred Hitchcock publicada numa série dedicada ao mestre do suspense na Itália. Curiosamente, no entanto, a história não lembra nem de longe qualquer coisa já feita por Hitchcock, sendo basicamente um conto de horror sobrenatural bem chinfrim e desprovido de clímax. A matéria que Spektro apresenta sobre o cineasta, no entanto, é muito boa, incluindo até a filmografia do mesmo. Numa época muito anterior à internet, essas fontes de informações eram de valor inestimável para os fãs do cinema de suspense e terror.

A sexta edição de Spektro se encerra com a excelente "O Fantasma do Barba-Azul". Shimamoto, aqui, acertou em tudo: trama, atmosfera, desenhos, tudo perfeito. A trama mostra uma bela vigarista que pretende dar o golpe do baú em um velho ricaço. No entanto, a vilã ignora que o seu pretendente é um fantasma que já teve várias esposas em vida e que é obcecado por dar a elas um tratamento "especial".

Saldo final: Spektro nº 6 deu "de relho" na edição anterior, e são muitos os bons momentos. O ponto negativo fica basicamente por conta das histórias americanas que, exceto pela ótima contribuição do Dr. Morte, parecem até terem sido escolhidas a dedo para fazerem feio na comparação com as histórias nacionais. O timão de colaboradores da Spektro já mostrava aqui uma competência invejável. Destaque, ainda, para a magnífica capa de Ofeliano, cujo conceito lembra o pôster do filme A Nightmare on Elm Street II - Freddy's Revenge. Detalhe: o filme saiu em 1985, sete anos depois desta edição de Spektro.

     
Confira as partes anteriores da Retrospectiva Spektro nos seguintes links:

PARTE 1 - http://caveirascrypt.blogspot.com/2010/02/spektro-era-de-ouro-do-quadrinho-de.html

PARTE 2 - http://caveirascrypt.blogspot.com/2010/02/spektro-n-5.html

4 comentários:

Kenji disse...

Consegue postar alguma coisa a respeito do possivel filme do hobbit que vão começar a filmar em 2010, caveira...?

Kenji disse...

http://www.valinor.com.br/noticias/filme-hobbit/

Henrique disse...

Boa pedida, Kenji! Vou postar algo sobre O Hobbit em breve. :)

Henry R. Kujawa disse...

The hunt goes on. After another near-exhaustive search, I just ran across your blog, with this in-depth article on SPEKTRO #6 (Editora Vecchi / Jul'78). This reveals-- as I was beginning to suspect-- that the version of "A MASCARA DA MORTE RUBRA" ("Masque of the Red Death"), which I now learn was done by Manoel Ferreira-- was, like the "Black Cat" story I just spent a week cleaning up, COLORING and TRANSLATING-- a reprint from the very same "CLASSICOS DE TERROR" series from the early 1960s!!

SPEKTRO #6 has thus far refused to turn up in its entirety online-- though I have seen FOR SALE at various Portuguese sites, usually listed as "rare" and priced much higher than its contemporaries. (This may explain why 2 different fan sites you can download comics for free at do NOT have that issue.) Of course, I would rather have scans of the 1960s ORIGINAL than a 1978 reprint.

I have often found that doing a Google search which actually contains the artist's name may turn up stuff that a magazine title doesn't. We'll see. Until a few minutes ago, I didn't know who the artist on this story was!

I still need to find out which issue of CDT this version of "Masque" originally appeared in. The search goes on!

Anyway, thanks for the in-depth review.