domingo, 1 de fevereiro de 2015

O Caveira comenta: o novo "GHOSTBUSTERS" previsto para 2016.



 

E foi confirmado essa semana que o novo Ghostbusters será lançado em 22 de julho de 2016 e que todo o elenco principal será feminino. As novas caça-fantasmas serão as atrizes Kristen Wiig, Melissa McCarthy, Kate McKinnon e Leslie Jones. O filme, aparentemente, será um reboot sem nenhuma relação de continuidade com o universo dos dois filmes originais de 1984 e 1989.


Como um fã por toda a vida dos filmes originais, achei que deveria comentar alguma coisa sobre isso.

Um filme com uma nova equipe, só de mulheres, num universo distinto dos filmes originais, é o ideal? É aquilo que os fãs dos Caça-Fantasmas queriam e esperaram durante muitos anos? Não, não é.

Vamos falar sobre o "ideal". O ideal é que Ghostbusters 2, de 1989, tivesse sido uma continuação melhor. Isso teria propiciado um feedback melhor da crítica e do público e, com grande probabilidade, teria levado a um terceiro filme com o elenco original ainda na primeira metade dos anos 90. Como sabemos, nada disso aconteceu. Embora tenha sido um relativo sucesso de bilheteria na época (e aprovado por parcela dos fãs, entre os quais me incluo), o segundo filme de certa forma "enterrou" a franquia.

O "ideal" é que, apesar de Ghostbusters 2 ter deixado a desejar, os quatro atores principais e o diretor Ivan Reitman conseguissem se acertar para o lançamento de um terceiro filme numa época em que os atores ainda não estavam velhos demais (ou gordos demais) para voltar à pele de seus personagens. Na minha singela opinião, isso tinha que ter acontecido, no máximo, até 1999 - o décimo aniversário do segundo filme. Depois disso, já era tarde demais.

Depois disso, com o elenco principal já velho e gordo, o "ideal" era que Ghostbusters 3 fosse um filme de transição, com os velhos Caça-Fantasmas passando a tocha para uma nova geração. Durante muitos anos, parecia que esse seria o caminho natural da franquia. Só que, sabe Deus por que, o estúdio e os produtores ficaram se arrastando em cima da questão por anos e anos e anos a fio, e daí o pior aconteceu.

Chegou fevereiro de 2014 e Harold Ramis, o eterno Egon Spengler, morreu.

Como falar em um cenário "ideal" para Ghostbusters em um mundo em que Harold Ramis não está mais entre nós?

Minha sugestão para os fãs? Esqueçam o "ideal". O universo "original" dos Caça-Fantasmas (formado pelos dois filmes de 1984 e 1989, bem como pelo jogo de videogame de 2009) está fechado, encerrado e não há mais como voltar a ele - a menos que seja por alguma via alternativa que dispense atores de carne e osso (livros, HQs, animações, etc). O segundo filme já conta com 26 anos nas costas. A hora de retomar aquele universo nos cinemas passou há muito tempo, e morreu em definitivo em fevereiro de 2014, junto com Ramis. É um ciclo que terminou, e isso não é necessariamente uma má notícia, pois sempre teremos os dois filmes originais e o ótimo complemento dado pelo game de 2009.

O novo Ghostbusters de 2016 vai ter o seu universo próprio, uma realidade à parte. E, na minha opinião, a ideia de adotar uma nova abordagem, com uma equipe feminina, é excelente. Ao contrário do que alguns "indignados" andam dizendo na internet, o filme original de 1984 nunca foi um filme "de homem" ou um filme "sobre caras" - ele é um "buddy movie". É um filme sobre amigos, sobre pessoas socialmente desajustadas e rebeldes, que se recusam a se ajustar aos padrões e que vencem na vida sem observar as regras convencionais - um tema recorrente nos personagens criados por Harold Ramis ao longo de sua carreira.

Acredito que o novo filme, explorando esta temática sob um viés agora feminino, pode render situações memoráveis e hilárias. É claro que só Deus sabe se o filme vai ser bom ou não. Mas ele começa bem. Seria uma temeridade tentar fazer um "remake" do original, com a preocupação de ser "fiel" a ele. Da mesma forma, não há mais condições de pensar numa continuação propriamente dita. Um reboot do zero, com suas próprias regras, é a única saída possível. Como já vimos, não é o ideal. Mas os diferentes cenários "ideais" para a franquia já pertencem todos ao passado. O futuro da franquia está com Wiig, McCarthy, McKinnon e Jones. Toda sorte do mundo para elas, e vida longa para os (e para as) Caça-Fantasmas! 


2 comentários:

Diogo Batista disse...

Excelente texto, Caveira.

Penso da mesma forma, Caça-Fantasma deveria ter recebido uma continuação no máximo até o ano de 2000, depois disso ficaria difícil repetirem o climax passado.

A morte Egon foi a última pá de cal, mas, não vejo como não pode dar certo uma releitura da franquia.

Oremos, hahaha!

Henrique Abel disse...

Tâmo junto, Diogo! Oremos! :D